Diários - Perú, Perú

Machu Picchu, o segredo Inca no Vale Sagrado

Fevereiro 22, 2017

A magia de Machu Picchu  iniciava com a caminhada. Desde Cuzco até à Hidroelétrica. Da Hidroelétrica até Aguas Calientes. E daí até ao topo da cidade escondida. Chegava cansada a Machu Picchu. Um cansaço que se esquecia em breves segundos. Machu Picchu não é segredo para ninguém mas continua a ser um grande segredo da História inca.

Depois de alguns dias em casa da família de Naya nos vales montanhosos ao longo do rio Urubamba. Chegava ao ponto de partida para o Machu Picchu. A Hidroelétrica situa-se sensivelmente a 4 horas de Cuzco, a uma hora de Santa Teresa. Depois de um longo trajeto de terra passando por desfiladeiros assustadores chegava com Naya ao ponto de partida da caminhada. Ao longo do trilho de comboio vários viajantes e peruanos caminhavam até Aguas Calientes. O trilho é tão famoso que alguns alojamentos começaram a surgir ao longo da linha de comboio. O esforço da caminhada, a paisagem verde e fresca sempre acompanhada pelo rio e a magia do comboio a passar, fazia com que a curiosidade se alimentasse a cada quilómetro.

 

As imagens da cidade Inca perdida é do imaginário de todos. Aguardava com expectativa o grande momento apesar de algum receio com a possível frustração e desilusão de visitar um lugar tão turístico. A caminhar pelo trilho do comboio e apercebendo-me do quão inóspito lugar se situava Machu Picchu, a expectativa aumentava.

Machu Picchu estava escondida completamente distante de tudo. No mais recôndito lugar do Vale Sagrado. No topo de penhascos verdejantes, longe dos olhos mais curiosos. Longínquo das civilizações. Depois de 3 horas a caminhar até Agua Calientes aguardava para a madrugada seguinte um espectáculo surpreendente.

Seriam 6 horas da manhã e apesar do nevoeiro cerrado, levantava da cama como uma criança ansiosa para ver os desenhos animados ao abrir do canal da televisão. Depois de 2 horas a caminhar até ao topo da montanha chegava a Machu Picchu. Dava por mim boquiaberta com as ruínas.

De um pontos mais altos sentia-me pequenina perante aquela imensidão. A cidade inca era de dimensões gigantescas e ultrapassava as dimensões das minhas expectativas. Rendida. Da Porta do sol, o epicentro de Machu Picchu parecia longínquo, do alto das montanhas deveria parecer apenas uma cabecinha de alfinete mas ali bem no centro de Machu Picchu a cidade era assustadora. Aquele misto de verde e cinza, as raízes do passado e o presente, a engenharia e a história, a descoberta. A impressionante sensação de ter estar num dos lugares mais surpreendentes da cultura inca deixava-me congelada e de pele arrepiada. Milhares de perguntas assombravam-me os pensamentos. Admirava a coragem, a destreza e a bravura de Hiram Bingham para explorar aqueles montes em busca de algo desconhecido e de tão difícil acesso. Machu Picchu foi descoberta em 1911 apesar de pertencer a uma época pré-colombiana. Como teria estado tanto tempo longe dos olhos das civilizações? Como foi apagada pela história e o tempo?

Entre a massiva multidão que visitava Machu Picchu naquele dia, não deixaria de ficar rendida àquela inolvidável cidade. Machu Picchu teria este efeito sobre todos os visitantes. A confusão do entra e sai de gente entre as rochas estava reduzida a nada. E às vezes o nada é tudo. Ali, parada no tempo, o centro do mundo estava ao alcance do meu olhar. Aquela fracção de momentos dar-me-ia todas as razões para continuar a viagem.

 

 

Facebook Comments

Também vais gostar

Sem Comentários

Deixe um comentário