Diário - Nicarágua, Nicarágua

Uma passagem pelo Tuani Lodge na praia Colorado

Setembro 14, 2016

A viagem é feita de encontros que nos proporcionam momentos únicos. Em viagem na Nicarágua, viria a encontrar portugueses a viver na Praia do Colorado, que me proporcionariam um dos momentos mais altos da minha viagem na América Central.

Estava na Nicarágua e nas mil partilhas que vou fazendo com amigos nas redes sociais a Diana desafiou-me a conhecer o Tuani Lodge. Em modo de saída da ilha de Ometepe rumava até à praia de Colorado, no mar do Pacífico, para conhecer este refúgio do Luís e da Mariana. Eles que depois de várias viagens pelo mundo, decidiram fazer malas e bagagens para viver junto ao mar e à natureza, em Tola. Apaixonados pela praia e pelo surf deram corpo a um sonho. Assim nasceu o Tuani Lodge.

tuani3-2

tuani4-2

Situado na eco-comunidade Las Vilas, o Tuani Lodge encontra-se rodeado de uma natureza virgem, com cavalos, macacos e muitas aves. A poucos quilómetros da praia de Colorado é um refúgio para surfistas e amantes da natureza. Na subida que leva à casa a imensidão de árvores frondosas esconde uma casa e três bungalows. Uma casa com um toque pessoal de quem viajou muito. Pequenas peças de artesanato vindas de todo o mundo, livros e fotografias que dão uma colorida e alegre atmosfera. A casa é o lugar de acolhimento e de convívio aos viajantes e no alpendre o olhar alcança o mar e longes horizontes nas montanhas. Foi nesta atmosfera, que fui recebida pelo Ricardo, irmão da Mariana, e a Joana. Em período de férias da Mariana e do Luís, em visita à família, eram eles que geriam e usufruíam por breves meses deste lugar único. Isolados do mundo num total rejuvenescimento de energias.

E não poderia ter sido melhor acolhida! Desde os primeiros minutos de conversa apercebíamos que tínhamos tantos amigos em comum que já seríamos também amigos de longa data. E assim, chegada pela noite, recebida com um assado tradicional português acompanhado de arroz, salada de alface e tomate, música portuguesa e um vinho a aconchegar, que o serão à volta da mesa se dei início a uma estadia magnífica na companhia do Ricardo e da Joana.

Pôr-de-sol na Praia Colorado

Pôr-de-sol na Praia Colorado

Foram dias de tranquilidade… Uns mergulhos no mar, uma leituras sobre a sombra das árvores, uns momentos de fascínio com as acrobacias do Ricardo nas ondas do mar, umas caminhadas com a Joana no longo areal da praia, uns pôr-de-sol surpreendentes na montanha e uns longos diálogos em português (que saudades de partilhar em português!). Momentos bons, tipo algodão doce, deliciosos e que acabam rápido. E foi no último dia de convívio, junto ao mar da praia de Popoyo, a beber uns cocktails nicaraguenses que Ricardo teve a brilhante ideia: “E se fôsssemos ver as tartarugas?”, a resposta era evidente. Seguimos por mais de 30 quilómetros, entre trilhos de terra batida, onde só um carro de tracção às quatro rodas poderia passar, que chegamos ao Refúgio de Vida Silvestre Rio Escalante Chacocente. Era já noite e não havia luzes nem carros no parque. Depois de dar entrada na recepção do parque percorremos um longo caminho entre a floresta até que, por fim, chegamos à praia Santa Tereza. Estávamos sozinhos (e os guardas do refúgio!) na praia e seguíamos o rastro das tartarugas na areia. Depois de uma caminhada de mais de 500 metros chegávamos ao local onde as tartarugas voltavam para desovar. Estávamos expectantes, ansiosos, com um brilhosinho nos olhos. Até que encontrámos a primeira tartaruga a preparar um buraco profundo para começar a desovar. Mais de 100 ovos seriam ali colocados e dali a 45 dias as pequenas tartarugas começariam a nascer, a caminhar até às águas e a aprender a nadar. Estávamos rendidos à natureza, impressionados com a surpreendente capacidade das tartarugas regressarem ao local onde nasceram para dar continuidade à sua espécie.

O magnífico momento da desova das tartarugas

O magnífico momento da desova das tartarugas

 

Sozinhos naquele longo areal da praia Santa Tereza e com o mar iluminado pela lua, este era um dos momentos únicos da minha viagem na Nicarágua.

 

Facebook Comments

Também vais gostar

1 Comentário

  • Reply Soluções para viajar: Redes de amigos – Lookingaround Maio 20, 2017 at 16:09

    […] Foi assim, que conheci o Ricardo e a Joana. Através de amigos da minha terra natal, cheguei a uma Nicarágua desconhecida dos mochileiros. Com eles partilhei uns belos petiscos portugueses, ao qual já nem as minhas xxx gustativas se lembravam existirem! Numa casa escondida entre uma floresta densa e a poucos quilómetros do mar, gozei do conforto do belo Tuani. […]

  • Deixe um comentário